nav-logo
Compartilhe

    DIU: conheça os tipos e indicações de uso

    Dispositivo Intrauterino é um método contraceptivo reversível e de longa duração

    Por Samantha CerquetaniPublicado em 03/01/2024, às 17:10 - Atualizado em 04/01/2024, às 11:30

    Diu

    Mulheres que não desejam engravidar recorrem a diversos métodos contraceptivos. Entre eles, destaca-se o DIU (Dispositivo Intrauterino), que é bastante eficaz e provoca poucos efeitos colaterais.   

    Há diversos tipos disponíveis e é importante colocar um dispositivo adequado às necessidades da mulher.  Continue a leitura para saber como funciona o DIU e quais são os tipos, indicações e vantagens de uso.  

    O que é DIU?   

    O DIU (Dispositivo Intrauterino) é um método contraceptivo reversível e de longa duração bastante eficaz na prevenção de gravidez. A técnica consiste em inserir pela vagina uma pequena peça de plástico flexível em forma de T no útero. De forma geral, ele impede que ocorra a fecundação.   

    Agendar consulta on-line

    Quais são os tipos de DIU?  

    Em linhas gerais, existem dois tipos de DIU: o hormonal, também chamado de Sistema Intrauterino com Levonorgestrel; e o não hormonal, mais conhecido como DIU de cobre (ou DIU de prata com cobre). 

    A seguir, veja detalhes sobre os tipos de DIU  

    DIU de cobre 

    Este dispositivo é feito de plástico biocompatível (o que diminui o risco de rejeição pelo corpo) e filetes de cobre, em formato de T, e é um método contraceptivo de barreira, ou seja, impede o encontro entre óvulos e espermatozoides de maneira física. Nesse caso, não há a participação de qualquer hormônio para promover a contracepção.  

    O cobre atua como um espermicida, interferindo na capacidade dos espermatozoides de fertilizar o óvulo. Além disso, provoca uma reação inflamatória no útero, tornando o ambiente menos favorável à gravidez.  

    DIU hormonal?  

    O DIU hormonal é um dispositivo pequeno, feito de plástico também em forma de T, colocado no interior do útero e que libera uma pequena quantidade do hormônio progesterona. Este hormônio provoca uma mudança no muco cervical, na motilidade das tubas uterinas e no tecido que reveste o útero (endométrio).  

    Dessa forma, ele impede a entrada dos espermatozoides no útero, provoca atrofia do endométrio e dificulta a implantação do embrião. Além de prevenir uma gestação indesejada, também pode ser usado em casos de mioma, endometriose e adenomiose.  

    Tipos de DIU hormonal 

    Entre eles, destacam-se o DIU Mirena e o DIU Kyleena. Ambos liberam gradualmente uma pequena quantidade do hormônio levonorgestrel. 

    O Mirena libera cerca de 20 mcg por dia e o Kyleena 15 mcg por dia.   

    O DIU Kyleena tem tamanho um pouco menor, por isso é mais indicado para mulheres com úteros menores.   

    São considerados seguros do ponto de vista contraceptivo, desde que bem inseridos. Costumam reduzir o fluxo menstrual, podendo levar à ausência de menstruação em alguns casos.  

    Para quem o DIU é recomendado?  

    O DIU é recomendado para mulheres que desejam um método contraceptivo de longo prazo, mas que pode ser revertido facilmente.  Também pode ser uma opção para mulheres que não podem ou não querem usar a pílula anticoncepcional e que apresentam um ciclo menstrual intenso.   

    Além disso, o DIU pode ser usado em qualquer idade do período reprodutivo.   

    Quais são as vantagens do DIU?  

    Entre as principais vantagens do DIU, estão:   

    • Não demanda a participação diária da mulher, ou seja, após colocado nada precisa ser feito para que o contraceptivo atue.  
    • Não afeta a fertilidade futura.  
    • Pode ser retirado quando a mulher desejar.  
    • O DIU hormonal pode diminuir o sangramento em casos de uma menstruação intensa.  

    Como funciona a colocação do DIU?  

    A colocação do DIU é realizada por um ginecologista em um consultório médico.  Durante o procedimento, a mulher é colocada na posição de exame ginecológico. Neste momento, avalia-se o tamanho e a posição do útero. É inserido um espéculo na vagina para manter as paredes vaginais afastadas e aumentar a visualização do colo do útero.  

    Em seguida, o DIU é colocado no interior do útero por meio de um aplicador especial e posicionado no fundo do útero.  

    O procedimento geralmente é rápido, levando apenas alguns minutos. Algumas mulheres apresentam desconfortos, cólicas leves ou uma sensação de pressão durante a colocação do DIU.   

    Vale destacar que o acompanhamento regular com o ginecologista e a realização de exames é fundamental para garantir que o DIU esteja em posição adequada e a contracepção seja eficaz.  

    O DIU pode causar efeitos colaterais?  

    Sim. Entre os efeitos colaterais e riscos do DIU, podemos citar:  

    • Cólicas e dores abdominais nas primeiras semanas após a colocação do dispositivo.  
    • Sangramentos irregulares ou mudanças no padrão menstrual. 
    • Aumento do risco de infecções.  

    Uma complicação grave e rara atrelada ao DIU é a perfuração uterina. Alguns estudos apontam que a taxa de perfuração fique abaixo de 1%, mas pode acontecer por erro médico ou por  características anatômicas da mulher. Por isso, o procedimento deve ser feito em clínicas ou hospitais com um ginecologista.  

    DIU engorda?  

    Não há qualquer evidência científica de que o uso do DIU provoque o ganho de peso ou qualquer alteração no apetite. Entretanto, algumas mulheres relatam ganho de peso após a colocação do Dispositivo, principalmente o DIU hormonal.    

    Esse eventual ganho de peso pode ser influenciado por diversos fatores, como sedentarismo, dieta, questões genéticas e outros aspectos hormonais.  

    Qual médico procurar?  

    Para a inserção do DIU, é preciso procurar um ginecologista. O especialista cuida da saúde reprodutiva feminina, realiza exames ginecológicos, oferece aconselhamento contraceptivo e realiza procedimentos como a inserção do DIU. 

    Agendar consulta on-line

    Fonte: Dra. Priscila Ritt, ginecologista 

    Encontrou a informação que procurava?
    nav-banner

    Veja também