nav-logo
Compartilhe

    Histeroscopia diagnóstica: entenda como o exame é feito

    Exame ginecológico identifica problemas de saúde como pólipos e sangramentos anormais

    Por Samantha CerquetaniPublicado em 24/11/2023, às 17:46 - Atualizado em 24/11/2023, às 17:48

    histeroscopia diagnostica

    Agendar exame

    A histeroscopia diagnóstica é um exame que proporciona uma visão detalhada do interior do útero. Portanto, é indicado na identificação de alguns problemas de saúde, como pólipos e sangramentos uterinos.   

    Para o procedimento, é necessário inserir um fino aparelho dentro da vagina, conhecido como histeroscópio. Por isso, algumas mulheres podem sentir um leve desconforto, que costuma ser amenizado com anestesia local.   

    Além disso, se o ginecologista encontrar uma lesão suspeita, pode solicitar uma biópsia para descartar o risco de câncer. 

    Continue a leitura para saber como a histeroscopia é realizada, se há necessidade de preparo e quais problemas de saúde pode detectar. 

    O que é histeroscopia diagnóstica? 

    A histeroscopia diagnóstica é um exame ginecológico que visa avaliar o interior do útero e diagnosticar diversas condições de saúde. 

    Durante o procedimento, o ginecologista insere um instrumento chamado histeroscópio na vagina e no colo do útero para visualizar a cavidade uterina.

    Histeroscopia com biópsia 

    Durante o procedimento, se o médico suspeita de problemas no endométrio, como câncer uterino, ele pode realizar uma biópsia.   

    Sendo assim, durante o exame ocorre uma coleta de amostras de tecido do revestimento do útero (endométrio) para análise.  

    Agendar exame

    O que a histeroscopia diagnóstica pode detectar? 

    Entre os principais diagnósticos que a histeroscopia diagnóstica ajuda a identificar estão:   

    • Sangramentos sem causa aparente;  
    • Pólipos uterinos, ou seja, crescimento anormais do tecido do útero;  
    • Malformações uterinas;  
    • Mioma uterino, ou seja, tumores benignos que se desenvolvem no músculo do útero;  
    • Inflamações e infecções;  
    • Problemas de fertilidade; 
    • Aderências uterinas.

    Como a histeroscopia diagnóstica é feita? 

    A paciente é posicionada na posição ginecológica, com as pernas apoiadas. O procedimento pode ser feito com ou sem anestesia.   

    O médico começa inserindo um histeroscópio pela vagina e colo do útero e avança em direção à cavidade uterina.   O histeroscópio é um instrumento fino e flexível com uma câmera na ponta, que permite a  visualização do interior do útero em tempo real. 

    Em seguida, o médico examina a cavidade uterina em busca de quaisquer anormalidades, como pólipos, fibromas, malformações ou outras condições.  

    Em alguns casos, pode gravar imagens do interior do útero para a documentação. Além disso, quando visualiza algo suspeito, como um pólipo ou outra anormalidade, realiza-se uma biópsia, ou seja, ocorre a coleta de uma pequena amostra de tecido para análise em laboratório.  

    Após a finalização do exame, o histeroscópio é removido suavemente.  

    A maioria das pacientes retoma às suas atividades no mesmo dia ou no dia seguinte à histeroscopia.    

    Preparação para o exame 

    Não há necessidade de internação para realizar a histeroscopia diagnóstica. O preparo para o exame também é bastante simples.   

    A mulher deve evitar manter relações sexuais por cerca de 72 horas antes da histeroscopia.   

    Além disso, pode ser recomendado o uso de medicamentos analgésicos ou anti-inflamatórios para dar mais conforto durante o exame.  
    Em alguns casos, pode ser aplicado um anestésico no local. Geralmente, o exame é realizado entre o 8º e o 15º dia após o início da menstruação. 

    A histeroscopia diagnóstica não deve ser realizada durante a menstruação, na presença de infecção vaginal, corrimentos ou em gestantes.  

    Histeroscopia diagnóstica dói? 

    A histeroscopia diagnóstica pode causar dor, mas a intensidade varia de acordo com a sensibilidade da mulher.   

    Além disso, pode ser usada a anestesia local para aliviar o desconforto do exame. No entanto, na maioria das vezes, a dor é tolerável, semelhante a uma cólica menstrual.   

    Algumas mulheres podem ter sangramentos ou cólicas por alguns dias após o procedimento. Por isso, podem ser indicados medicamentos analgésicos.   

    Vale destacar que histeroscopia diagnóstica é um procedimento pouco invasivo, seguro e que apresenta um baixo risco de complicações.   

    Histeroscopia diagnóstica: preço e onde fazer? 

    Para saber detalhes sobre preços e onde fazer a histeroscopia diagnóstica, acesse agora o Nav. 

    Agendar exame

     

    Fonte: Dr. Marcus de Paula, ginecologista 

    Encontrou a informação que procurava?
    nav-banner

    Veja também